Em meados dos anos 80, a indústria dos videogames estava em plena ascensão. Grandes desenvolvedoras como a Atari, Activision e a Coleco dominavam o mercado com títulos famosos como Pitfall! E Pac-Man. A expectativa era que o setor continuasse crescendo e gerando cada vez mais lucro para as companhias envolvidas.

No entanto, o excesso de confiança e o desejo de lucrar rapidamente levaram a um grande problema: a saturação do mercado. De repente, inúmeras desenvolvedoras começaram a produzir novos jogos, muitos deles sem qualidade, o que fez com que muitos consumidores se afastassem dos videogames. Além disso, algumas empresas inteligentes passaram a produzir consoles domésticos de baixo custo, o que fez com que a competição disparasse ainda mais.

A má gestão empresarial foi outro fator que contribuiu para o grande colapso dos jogos eletrônicos. Empresas como a Atari simplesmente produziam jogos em excesso sem se preocupar com a qualidade e a viabilidade financeira. As empresas também passaram a investir cada vez mais em publicidade em vez de investir na melhoria dos próprios jogos.

O resultado foi um enorme prejuízo financeiro para a indústria, que perdeu bilhões de dólares com o excesso de produção, a queda nas vendas e o grande número de jogos devolvidos pelos consumidores insatisfeitos.

Mas a história dos jogos eletrônicos não acabou aí. Com o passar do tempo e a reorganização da indústria, muitas empresas se recuperaram e voltaram a produzir jogos de qualidade que foram capazes de conquistar um público fiel. A Nintendo, por exemplo, lançou o console NES e mudou a forma como as pessoas viam os videogames, trazendo jogos mais divertidos e criativos.

Hoje, a indústria dos videogames movimenta bilhões de dólares todos os anos e é uma das formas mais populares de entretenimento em todo o mundo. No entanto, é importante lembrar que o grande colapso dos jogos eletrônicos nos anos 80 deixou uma lição valiosa para as empresas: qualidade sempre será mais importante do que quantidade quando se trata de desenvolver jogos para um mercado cada vez mais exigente.